Bilder Listen Slider
 


Mudanças climáticas e o Agronegócio – entendendo a queda na oferta de água

As mudanças climáticas são uma realidade que precisam ser enfrentadas com seriedade. Entenda como essas mudanças vêm afetando a oferta de água no Brasil. Saiba mais (...)

Problemas na oferta de água afetam diretamente a capacidade produtiva do agronegócio, que é uma dos setores que mais utiliza o recurso. É urgente que produtor rural se atente e abrace essa questão, adotando meios e medidas que permitam enfrentar os desafios ambientais (...)


Bauer, Mudanças climáticas e o Agronegócio

Fechar os olhos e negar a existência de um problema real que coloque o futuro de seu negócio em risco é uma atitude contraproducente. Negar a existência dos desafios à frente não fará como que eles deixem de existir, porém, compromete a sua capacidade de resposta.

Desde o final da década de 1960, relatórios apontam para as mudanças climáticas no planeta e o impacto da ação humana nesse fato. Apesar disso, ao longo do tempo os cientistas e pesquisadores foram sumariamente ignorados, resultando em inação e perpetuação de práticas, hábitos e modos de vida que agridem o meio ambiente e afetam o clima.

A conta dessa opção da humanidade, contudo, chegou. Nos últimos anos testemunhamos o aumento dos eventos climáticos extremos, com grandes secas, inundações, queimadas, severas ondas de calor e de frio entre outros. Recente relatório do IPCC (+infos[en]), painel climático da ONU (vídeo), apontou que a situação é ainda mais grave do que o estimado.

Quem trabalha com o agronegócio precisa estar atento à questão do clima e ser agente da mudança. O produtor rural tende a ser um dos mais afetados pela emergência do clima, uma vez que a produção de alimentos no campo está intrinsicamente relacionada ao setor.

Bauer, Mudanças climáticas e o Agronegócio

Mudanças climáticas e o agronegócio – O Brasil está secando

Se até poucos anos atrás alguém dissesse que o Brasil corria o risco de não contar com reservas de água suficiente, provavelmente seria motivo de risos de seus ouvintes. Afinal, nosso país conta com a maior reserva hídrica do mundo e seu clima tropical favorece a ocorrência de chuvas sazonais na maior parte de seu território.

Nosso país, contudo, está secando. É isso que mostram dados de pesquisadores que apontam que o Brasil perdeu 15% da superfície de água em 35 anos. No Pantanal, maior planície alagada contínua do mundo, essa perda chegou a 74%.

Vale lembrar ainda a situação crítica dos reservatórios em todo território nacional – a região de Curitiba, no Paraná, por exemplo, enfrenta rodízio de abastecimento de água desde março de 2021, sem previsão de normalização – e vem impactando a produção de energia e seus custos ao consumidor.



Bauer, Mudanças climáticas e o Agronegócio

Os motivos para esse cenário são variados e vão desde maior demanda pela água, devido aumento populacional e crescimento da economia, até o desmatamento e destruição de biomas, que afetam os ciclos das chuvas bem como o abastecimento dos aquíferos que alimentam nossos rios.

O Serrado, considerado por muitos como naturalmente improdutivo, é um dos biomas mais afetados pela ação humana. Acontece que a vegetação naturalmente encontrada no cerrado se caracteriza por suas longas raízes, que se ramificam até chegar aos profundos aquíferos. Essas raízes, contudo, funcionam como uma via de mão dupla, tanto absorvendo água, como abrindo caminho para o abastecimento dos aquíferos na época de chuva.

Quando a vegetação natural do bioma é retirada para o cultivo de outras espécies estranhas a região, esse ciclo é interrompido. Sim, nos estamos secando o país por dentro e nem estamos percebendo o que ocorre abaixo da superfície.

Enquanto isso, o desmatamento na região amazônica, por exemplo, seca o Brasil “por cima”. A floresta tropical é fundamental para o ciclo de chuvas no país. Os rios aéreos que pairam sobre as árvores levam a umidade por quilômetros. Com a diminuição da floresta esse ciclo é interrompido e o resultado é uma maior estiagem.

Problemas na oferta de água afetam diretamente a capacidade produtiva do agronegócio, que é uma dos setores que mais utiliza o recurso. Por isso, é urgente que produtor rural se atente e abrace essa questão, adotando meios e medidas que permitam enfrentar os desafios ambientais com respeito à natureza.

Ok, entendi o problema, mas, o que fazer?



Bauer, Mudanças climáticas e o Agronegócio

A adoção da agricultura irrigada é uma dessas medidas. Hoje os sistemas de irrigação modernos são capazes de entregar a quantidade de água ideal para cada cultura, permitindo otimizar o aproveitamento do recurso e diminuir desperdícios, ao mesmo tempo em que aumenta a produtividade por hectare exigindo menor uso de área.

Além da agricultura irrigada e adoção de sistemas de irrigação inteligente, um bom manejo do solo, adoção de prática e modelos sustentáveis, como a Integração Floresta-Lavoura-Pecuária e a preservação e recuperação de biomas e áreas de reserva, são ações fundamentais para a construção de outro futuro.

Há 90 anos a Bauer investe e desenvolve sistemas de irrigação que buscam otimizar o uso da água nas propriedades e gerar resultados reais para os agricultores. Vem conhecer a Força Bauer de perto em um dos nossos representantes espalhados pelo Brasil e vamos juntos construir um mundo verde. Até a próxima!

#Agricultura / #Agrícola / #Agronegócio / #Atividade_Agrícola / #Campo_brasileiro / #Campo / #Fazenda / #Automação / #Agricultura_Sustentável / #Sistemas_de_Irrigação / #Jovens_Agricultores / #Tecnologia_no_Campo / #Campo_Inovação / #Agricultor / #Produtor_agrícola / #Recursos_Hídricos / #Agricultura_Irrigada / #Irrigação / #Mudanças_climáticas / #Irrigação_por_aspersão / #Sistemas_de_irrigação / #Geada / #Lavoura